Reflexões

Aceite o desafio da fé em Deus

Davi, porém, disse ao filisteu: Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado. (I Sm 17.45)

Hoje tem vinte e quatro horas disponíveis para vivermos como ontem também o teve e isso tem se repetido a milhares de anos no planeta terra. Aceitamos esta condicionante temporal com tanta naturalidade que consideramos uma obrigação do universo nos conceder mais um dia de vida. Como o universo surgiu a mais de treze bilhões de anos atrás, grande parte das pessoas creem que ele surgiu por acaso e, os que advogam uma criação divina, acreditam que Deus estabeleceu leis inflexíveis e por elas entregou o universo à sua própria sorte. O resultado da crença destes dois grupos é de que se Deus existir, não está interessando na vida humana, se tivesse, seria um Deus impotente, pois não consegue impedir o mal prosperar, o mais provável é que não haja nenhum Deus, a própria natureza se incumbiu de achar um meio de vir a existir. Por esta concepção os homens deixam de se ocupar com questões transcendentes, se voltando para o seu dia a dia, com a firme convicção que ser ou não bem sucedido depende só de si mesmo.

Foi com esta perspectiva que Golias, o gigante, desafiou o exército de Israel. Dizia ele: “Hoje, afronto as tropas de Israel. Dai-me um homem, para que ambos pelejemos” (I Sm 17.10). Golias agira como os lutadores da UFC. Recentemente, na apresentação dos contendores McGregor roubou o cinturão de Aldo durante uma coletiva, exigindo a interveniência de Dana White, o chefão do UFC, para evitar uma briga entre eles antes do dia aprazado para a luta. Quando se tem por perspectiva que a supremacia de um homem sobre o outro depende tão somente do poder exercido, da força superior, do potencial financeiro do oponente, da habilidade comercial, da formação acadêmica, então sempre haverá alguém que se destaca mais que o outro, que se impõe sobre seu semelhante seus desejos e vontades.

De fato, se nós formos avaliar a supremacia dos ricos sobre os pobres, dos fortes sobre os fracos, dos inteligentes sobre os ignorantes, tudo parece se assemelhar ao nascimento de um novo dia, as evidências demonstram que a força prevalece sobre a fraqueza necessariamente, pois só os mais aptos sobrevivem neste mundo. Este nível de incredulidade crescente já fora diagnosticado pelo Senhor Jesus a mais de dois mil anos atrás. Dissera ele: “… quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18.8). Se nós voltarmos ao contexto da batalha contra Golias, perceberemos que no arraial de Israel não havia um único judeu crendo na possibilidade de vencer Golias. A avaliação de todos da impossibilidade do fraco vencer o forte, se Golias se fazia prevalecer por sua força e crenças, Israel se via derrotado por sua incredulidade e medo. Ouvindo as bravatas do gigante Golias, Saul e todo seu exército “… espantaram-se e temeram muito” (I Sm 17.11). O medo tem sido o principal conselheiro de todo aquele que se vê impotente diante das lides diárias, estes realmente acreditam que estão só no mundo, dependendo unicamente de suas forças, incapazes de superar suas próprias dificuldades. Para estes Deus é um ser distante, não interessado nos seus negócios, deixando-os entregue a mercê de seus adversários.

O fato da maioria ser incrédula não impede que um único indivíduo exerça fé em Deus. Alguém disse com muita propriedade: – eu e Deus, maioria absoluta. A palavra de Deus atesta esta verdade nos seguintes termos: “… maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo” (I Jo 4.4). Davi, diante das bravatas do gigante, declarou com fé que Deus seria com ele naquele embate, portanto a vitória era tão certa como a luz do dia, tão segura quanto o dia ter vinte e quatro horas. Onde todos viam impossibilidades, Davi percebeu a oportunidade de alcançar o triunfo, não importasse o que a aparência das coisas indicava. Naquele dia Golias foi ao chão, a pequena nação de Israel sagrou-se vitoriosa. Longe dali outras nações continuaram sua existência crendo que o mais forte prevalece sobre o mais fraco, talvez levando para o túmulo sua crença no potencial humano, despercebido que Deus é por aquele que manifesta sua fé no Criador e Redentor. Se você optar crer em Deus se juntará as fileiras do rei Davi, contudo sua fé pode não ultrapassar as paredes de seu lar. O que importa não é quanta gente possa acreditar que Deus se importa com você, mas sim quem você é diante de Deus. Se a sua fé irá ou não ter expressão na sociedade, depende menos do que você faz, muito mais do que Deus tem preparado para sua vida. Faça a si mesmo esta pergunta: – estou eu disposto a guardar minha fé em Deus até a volta de Jesus, não importa quão minoria eu sou? Qual sua resposta a este desafio?

pensador

    http://cezarazevedo.com.br/plano-de-salvacao-por-pergunta/

    http://cezarazevedo.com.br/estudo-para-novo-convertido-0110/

    http://cezarazevedo.com.br/estudo-para-batismo-0110/

    http://cezarazevedo.com.br/ministracao-para-libertacao-interior-e-perdao/

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 6:23)

 

Leave a Comment