Depoimentos

Andemos em novidade de vida

“Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu.” (Ec 3:1)

Uma das maiores dificuldades que temos é o de considerar os tempos existenciais. Isto porque temos a tendência de padronizar todos nossos procedimentos, queremos que nossa vida se enquadre em determinado molde, buscamos acima de tudo a estabilidade, seja ela financeira, sentimental ou profissional. Em outras palavras, rejeitamos, instintivamente, a mudança. Neste sentido uma palavra registrada pelo sábio parece dar razão aos que se apegam ferrenhamente à rotina vivencial:

“Filho meu, teme ao Senhor, e ao rei; e não te entremetas com os que gostam de mudanças. Porque de repente se levantará a sua calamidade; e a ruína deles, quem a conhecerá?” (Pv 24:21,22)

O que o sábio enfatizou é que não devemos perseguir a mudança como projeto de vida, ou seja, não nos cabe, enquanto seres limitados, escolhermos as realidades existenciais que queremos viver. A mudança provocada, instigada, perseguida, motivada e provida por nós mesmo tem tudo para dar errado pela simples razão que a inclinação da carne é morta em si mesma (Rm 8:6). Todavia a mudança que procede da parte de Deus é a força motriz para que nós possamos conhecê-Lo. Neste aspecto toda a criação passa por processo ininterrupto de mudanças, “um dia faz declaração a outro dia, e uma noite revela conhecimento a outra noite” (Sl 19:1), nada é igual ao que fora, tudo se transforma, se movimenta, se renova. Não é sem razão que o apóstolo nos exorta a andarmos em “novidade de vida” (Rm 6:4).

Somos participantes em Cristo da vida eterna. Em sua essência somos chamados a conhecer Deus e a Seu bendito Filho (Jo 17:3) e este conhecimento se realiza em meio à circunstâncias existenciais. Por esta razão, tal como Abraão, somos chamados a sair de nosso ponto de conforto para realidades nunca antes experimentadas onde nossa confiança está tão somente em Deus que nos conduz, mesmo porque está escrito:

“O Senhor é tardio em irar-se, e de grande poder, e ao culpado de maneira alguma terá por inocente; o Senhor tem o seu caminho no turbilhão e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés.” (Na 1:3)

Este é o grande desafio da vida cristã: confiar inteiramente em Deus quando tudo nos parece tão difuso, confuso, estranho, imprevisível. Deus dissera a Abrão: “Sai-te da tua terra, da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei” (Gn 12:1) e ele teve de partir. A resposta de qual seria o lugar de sua peregrinação só chegou anos mais tarde, até aquela hora ele simplesmente andou em direção à voz de Deus, aguardando o momento que a palavra haveria de se cumprir, tal como ressoou num dado dia: “À tua semente darei esta terra” (Gn 12:7). O que antes lhe era estranho e inusitado agora lhe era familiar e compreensível, Abrão pode experimentar o estar no centro da vontade de Deus por ter sido obediente à voz que lhe chamara a caminhar. Ele prosseguiu pela fé até que pode contemplar com seus próprios olhos a fidelidade de Deus.

Não somos diferentes de Abrão. Servimos ao mesmo Deus (Hb 13:8), portanto temos oportunidade de vivenciarmos experiências similares ao de nosso pai na fé (Gl 3:7). O que nos impede é nossa tendência a estratificar a rotina, buscando acima de tudo a segurança segundo os moldes humanos. Um dos aspectos que reflete esta contradição está na expressão bíblica na qual diz: “Posso todas as coisas naquele que me fortalece” (Fl 4:13). Com base neste texto temos a tendência de querer impor à Deus a realidade que queremos viver. Geralmente a leitura deste texto se coloca do seguinte modo: sou pobre, posso ser rico em nome de Jesus! Estou desempregado, posso encontrar um emprego em nome de Jesus! Não sou ninguém, posso ser cabeça em nome de Jesus! Se analisarmos cada uma destas expressões, elas revelam um certo inconformismo com a realidade que vivemos. Todavia esta leitura só é possível desconsiderando o verso imediatamente anterior que dá o contexto da expressão:

“Sei passar falta, e sei também ter abundância; em toda maneira e em todas as coisas estou experimentado, tanto em ter fartura, como em passar fome; tanto em ter abundância, como em padecer necessidade.” (Fl 4:12)

Paulo está, na verdade, expressando sua absoluta confiança em Deus como o Senhor de todas as circunstâncias. Paulo não pede, não ora a Deus por uma mudança nas circunstâncias existenciais que ele vive, antes declara sua convicção acerca da confiança que nutre na sabedoria do Senhor ao moldar o momento que o apóstolo vive. Um exemplo deste pode ser extraído do momento em que Paulo foi preso na cidade de Filipos. Em situação como esta qualquer pediria por livramento, todavia Paulo entregou-se inteiramente ao Senhor em adoração.

“A multidão levantou-se à uma contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes os vestidos, mandaram açoitá-los com varas. E, havendo-lhes dado muitos açoites, os lançaram na prisão, mandando ao carcereiro que os guardasse com segurança. Ele, tendo recebido tal ordem, os lançou na prisão interior e lhes segurou os pés no tronco. Pela meia-noite Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, enquanto os presos os escutavam.” (At 16:22-25)

Por certo ser surrado e preso não era algo que Paulo buscara para si mesmo, todavia não fez caso das condicionantes existenciais, apenas confiou que em tudo haveria um propósito da parte de Deus, entregando-se inteiramente ao Senhor de sua existência. Deus mudou a sorte de Paulo, libertando-o de maneira miraculosa, conduzindo-o à casa do carcereiro, quando teve oportunidade de ganhar aquela família para Cristo. Deus fizera para o apóstolo Seu caminho por meio da tempestade. Paulo confiara e fora usado grandemente para os eternos propósitos do Senhor.

Nestes dias tenho vivenciado mudanças circunstanciais providas pelo Senhor. São dias que exige dedicação integral no trabalho que me foi dado. Por conta destas atividades tive de optar por não escrever para o site. Todavia agora me é dado a oportunidade de escrever, espero que com mais assiduidade. Uma coisa sei, dias como estes temos que exercer plena confiança em Deus porquanto a nossa rotina foi inteiramente modificada. O que virá só caminhando conhecerei, uma coisa todavia estou certo, está escrito da parte do Senhor:

“Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.” (Jr 29:11)

pensador

    http://cezarazevedo.com.br/plano-de-salvacao-por-pergunta/

    http://cezarazevedo.com.br/estudo-para-novo-convertido-0110/

    http://cezarazevedo.com.br/estudo-para-batismo-0110/

    http://cezarazevedo.com.br/ministracao-para-libertacao-interior-e-perdao/

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 6:23)

Leave a Comment