Comentários no Evangelho de João

Comentários em João 10.22,23

Jo 10.22

"Celebrava-se em Jerusalém a Festa da Dedicação. Era inverno." (Jo 10.22). A Festa da Dedicação é um evento reconhecido pelo evangelho de João acerca de um fato histórico acontecido no período Inter bíblico. O último livro do Antigo Testamento foi o de Malaquias. Depois Deus se silenciou com Israel por 400 anos até João Batista surgir no deserto. Ele pregou a necessidade do arrependimento para entrar no reino dos céus. Recuando no tempo, por volta do ano 168 a.C. Jerusalém foi tomada pelo rei assírio Antioco 4º. Este rei foi impiedoso, uma figura da besta que está por vir. Nesta época a família dos Macabeus se levantou contra o invasor, restabelecendo o reino judaico. Uma das providências foi restaurar o templo. Segundo registros históricos, ao realizar a dedicação do templo era necessário acender o candelabro com azeite sagrado. Só havia azeite para um dia. A produção de mais azeite levava sete dias. Milagrosamente o azeite acesso permaneceu por oito dias, dando tempo para a produção. Com isso a festa da dedicação passou a ser comemorada por oito dias, ascendendo uma luz cada dia. Está festa trazia o sentido da restauração do culto divino, da centralidade do templo na vida de Israel. Esta festa conta muito do relacionamento de Israel com Deus e a diferença com o mundo ocidental. Se considerarmos o contexto de qualidade de vida e realização pessoal, observamos que o indivíduo realiza todo esforço no sentido de ou alcançar liberdade financeira, ou obter aposentadoria condizente, ou ser empreendedor bem sucedido. O que não entra no visor é ter o objetivo de colocar o reino de Deus como supremo e final objetivo a ser alcançado. Em outras palavras, a vida eterna não faz parte deste horizonte. A pessoa pensa em deixar legado, deixar herança, mas não considera onde vai passar a eternidade. Israel agia diferente. O fim último da liberdade era restabelecer o culto a Deus, por isso a instituição da festa da dedicação.

Jo 10.23

"Jesus passeava no templo, no Pórtico de Salomão." (Jo 10.23). Este pórtico foi testemunha da glória do primeiro templo, pois foi construído por Salomão, permanecendo de pé até a destruição do templo pelo general romano Tito. Mais tarde este lugar também foi palco da pregação do evangelho e de milagres feitos pelos discípulos de Jesus (At 3.11, 5.12). Este pórtico adornava o pátio exterior do templo, do lado oriental, funcionando como uma varanda, um lugar coberto. Era inverno, por isso Jesus optou por passear no templo naquele lugar. O que nos faz lembrar o passeio de Jesus no templo? Deus designou o templo para, por meio dele, Israel se aproximar de Deus. O primeiro templo foi construído por Salomão, depois foi destruído pela Babilônia. Reconstruído de novo no tempo de Esdras e Neemias, quem participou desta reconstrução o fazia com baixo ânimo, não só por causa da dificuldade da época como por não guardar proporção com a riqueza da época de Salomão. Para eles continuarem firme Deus enviou uma palavra profética: "A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos; e, neste lugar, darei a paz, diz o Senhor dos Exércitos." (Ag 2.9). Por maiores que tenham sido a riqueza do templo de Salomão nada se compara a glória de Jesus Cristo passear no templo, no lado oriental, no pórtico de Salomão. Ali estava o Filho unigênito de Deus, verdadeiramente Deus. Ali estava o Filho do Homem, verdadeiramente homem. Sil estava o Filho de Davi, o Rei de Israel. Ali estava o Cristo, o Messias, o Salvador. Este passeio nos faz lembrar do dia em que Deus fez seu passeio diário no Éden, mas naquele dia não encontrou Adão, pois ele estava escondido, por ter pecado contra Deus. Do mesmo modo Jesus se encontrava só no seu passeio, pois Israel não conheceu o tempo da visitação do Senhor. Este é o lamento do Senhor para com sua igreja, pois sendo ela sua noiva, tem se mantido distante da intimidade com Deus por estar ocupada com as distrações desta vida.

Leave a Comment