Comentários no Evangelho de João

Comentários em João 9.30-32

Jo 9.30

"Respondeu-lhes o homem: Nisto é de estranhar que vós não saibais donde ele é, e, contudo, me abriu os olhos." (Jo 9.30). Os fariseus disseram que conheciam Moisés porque Deus falou com ele, no entanto desconheciam Jesus. O ex-cego contra-argumento que era impossível conhecer Moisés e desconhecer Jesus, pois o mesmo Deus que falou com Moisés estava também com Jesus. Por consequência Jesus era o ungido de Deus, o escolhido, o chamado. Ou seja, Jesus era o Messias, o Cristo, o Salvador. o ex-cego, ao apresentar o seu argumento, conectou o Antigo Testamento no Novo Testamento, pois ligou a história de Moisés a de Jesus. Muitas pessoas têm dificuldade de fazer esta conexão. Eles olham o Antigo Testamento como coisa de outro mundo. Para muitos o Deus do Antigo Testamento não coaduna com o Deus do Novo Testamento. Eles O veem como Deus irado, pronto a executar os pecadores. No entanto o Deus do Antigo Testamento é o mesmo Deus que se revela no Novo Testamento. O autor aos Hebreus coloca esta verdade nestes termos: "Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo." (Hb 1.1,2). Moisés foi um dos profetas do Antigo Testamento, e ele, dando profeticamente testemunho de Jesus, disse nos seus dias: "O Senhor, teu Deus, te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim; a ele ouvirás," (Dt 18.15). Ao usar o termo "semelhante" significa que Moisés esta profetizando a nova aliança. E os fariseus, no mínimo, deviam estar procurando este de quem Moisés fez referência. Se o tivessem feito teriam encontrado Jesus.

Jo 9.31

"Sabemos que Deus não atende a pecadores; mas, pelo contrário, se alguém teme a Deus e pratica a sua vontade, a este atende." (Jo 9.31). O ex-cego deu uma lição sobre oração para os fariseus. Com isso ele vinculou sua cura a oração que Jesus teria feito a Deus, o Pai. A pergunta seria: – De onde o ex-cego tirou a conclusão que Jesus orou? Os fariseus, ao argumentarem com o ex-cego haviam ressaltado que Moisés falou com Deus, sendo este o motivo que fez Moisés se destacar de todos os homens do Antigo Testamento. Sabemos que muitos homens invocaram a Deus por todo aquele período, mas ninguém tinha chegado no nível de intimidade de Moisés. Dele se é afirmado: "Falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala a seu amigo…" (Ex 33.11). Observe que Moisés teve a honra de ser considerado amigo de Deus. Como pode Moisés chegar neste nível de intimidade? Para entender o relacionamento de Moisés com Deus, precisamos reportar um evento. Moisés estava no monte falando com Deus. Ele estava recebendo as ordenanças do culto sacerdotal em todos os seus detalhes. Enquanto eles conversavam entre si, o povo de Israel, liderado por Arão, irmão de Moisés, fizeram um bezerro de ouro e, depois, se entregaram a todo tipo de orgia sexual (Ex 32.6). Deus ficou irado com a atitude do povo. E deliberou destruir aquela nação, iniciando outro povo a partir de Moisés (Ex 32.10). Se Moisés aceitasse seria elevado ao mesmo nível de Adão, Noé ou Abraão, pois cada um destes deram origem a vários povos. É assim que acontece hoje com alguns pastores: não gostam da liderança onde estão, saem dali e abrem uma igreja. Moisés foi irredutível, não aceitou a proposta de Deus, fazendo Deus se lembrar da aliança com Abraão, Isaque e Jacó (Ex 32.13). Por decisões como está fez de Moisés amigo de Deus, pois ele conhecia o coração de Deus, portanto a vontade de Deus (Jo 15.15).

Jo 9.32

"Desde que há mundo, jamais se ouviu que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença." (Jo 9.32). Há certas afirmações na Bíblia que são difíceis de avaliar, sendo esta uma delas. Primeiro porque só quem passou por semelhante deficiência pode expressar a alegria de ser curado. Depois porque alguém pode questionar a grandeza deste milagre, considerando que outras necessidades deveriam ser prioritárias. Por isso devemos nos perguntar: por que Jesus escolheu o cego de nascença para demonstrar sua divindade? Neste contexto cabe uma pergunta: – Por que aquele homem nasceu cego? Não temos como responder esta indagação no caso concreto. Precisaríamos colher o DNA deste ex-cego para procurar indícios de sua deficiência e isto é impossível. Por outro lado podemos ter como parâmetro o primeiro homem criado, Adão. Ele veio a existência por mão do Criador. Ele não só teve o privilégio de apreciar o mundo criado, como ainda nomeou todos os seres vivos, levando em conta as características intrínsecas de cada um deles. Em contraste nascer cego se constitui em uma terrível consequência nefasta da queda, um desarranjo na ordem criada. Ademais o primeiro homem criado teve a oportunidade de ver a Deus, pois este lhe fazia visita toda tarde. Este ato de ver a Deus precisa ser qualificado. Deus é Espírito, portanto esta além das habilidades físicas do ser humano enxergar. Guardada as proporções ver Deus seria como enxergar o mundo microscópico a olho nu. Tendo estes comparativos como pano de fundo, um cego de nascença sendo curado só pode ser obra do Criador dos céus e da Terra. Sabendo que a cura foi feita por Jesus, então se deduz ser Jesus verdadeiro Homem, mas também verdadeiro Deus.

Leave a Comment