Comentários no Evangelho de João

Comentários em João 9.35,36

Jo 9.35

"Ouvindo Jesus que o tinham expulsado, encontrando-o, lhe perguntou: Crês tu no Filho do Homem?" (Jo 9.35). Desde que este ex-cego encontrou-se com Jesus passou um longo tempo. Jesus avistou o cego de nascença. Os discípulos questionaram Jesus se o pecado tinha sido a causa daquela condição e, sendo o pecado, de quem seria a culpa, dele ou de seus pais. Jesus disse que nascer cego não era em razão do pecado nem do rapaz, nem de seus pais. Ao mesmo tempo que o pecado é causador de tudo de ruim que acontece na Terra, ele não é fator determinante. A vida de cada indivíduo é disposta em meio a fatores complexos e incompreensíveis, cujo mistério só Deus tem como avaliar. Para simplificar esta complexidade basta sabermos que tudo tem propósito em Deus, tudo se constitui para revelar a glória de Deus. Depois de dar esta explicação Jesus tocou no cego e orientou ele se lavar no tanque de Siloé. Ele foi cego e voltou vendo. Portanto desde sua cura este homem ainda não tinha visto Jesus. Neste interim os vizinhos do ex-cego o levaram aos fariseus. Estes interrogaram o ex-cego sobre sua cura não porque estavam felizes com a mudança de condição de vida do ex-cego. O interesse dos fariseus era achar um meio de acusar Jesus por ter feito aquela cura no sábado. Como o ex-cego foi firme no seu testemunho, os fariseus expulsaram ele da sinagoga. Foi só depois desta expulsão que o ex-cego encontrou Jesus novamente. Este é o drama do mundo religioso, mesmo tendo sua origem em Deus, ele facilmente perde sua finalidade, mais afastando a pessoa de Deus do que sendo um elemento de aproximação. Muitas vezes a pessoa tem de ser expulsa deste meio para ter um encontro com Jesus. E, observe, o ex-cego não foi atrás de Jesus, antes foi Jesus quem veio ao seu encontro. Este procedimento de Jesus é revelador. Ele demonstra que, mesmo tendo o indivíduo sido beneficiado por ele, a pessoa não busca sua presença. Se Jesus não insistir é grande a probabilidade da pessoa se perder de novo.

Jo 9.36

"Ele respondeu e disse: Quem é, Senhor, para que eu nele creia?" (Jo 9.36). Depois do ex-cego ser expulso do templo por causa de Jesus, ele foi encontrado por Jesus. Eis a recompensa de uma escolha bem sucedida. Só por fé se dimensiona este encontro. Aquele ex-cego estava diante do Criador dos céus e da Terra, cujo poder havia recriado os olhos do cego de nascença. Jesus podia conceder a honra deste encontro a um poderoso rabino ou a um grande governante, no entanto deu atenção a um mendigo e andarilho, a um homem desprezado e rejeitado. Este é o poder da fé, Deus se inclinar a alguém destituído de posse, status ou título, mesmo este ex-cego sabendo pouco de seu benfeitor. Tanto é que Jesus lhe perguntou: "… Crês tu no Filho do Homem?" (Jo 9.35). Como entender esta pergunta? O próprio ex-cego não sabia quem era este Filho do Homem, por isso replicou: "… Quem é, Senhor, para que eu nele creia?" (Jo 9.36). A primeira coisa a verificar está no fato deste ex-cego não ter estranhado o título dado por Jesus. O fato de tão somente perguntar quem era o Filho do Homem demonstrou que este ex-cego já tinha ouvido falar deste Homem. O ex-cego já devia ter ouvido, por exemplo, acerca da missão do Filho do Homem: "… tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos." (Mt 20.28). Este título reporta a Adão, o primeiro homem, e representante legal da humanidade. Adão foi o portador das extraordinárias promessas e propósitos divino. Quem, dentre nós, já se deparou pensando sobre a origem e propósito da humanidade a luz da Bíblia? Aquele ex-cego, convivendo com a escuridão física de seus olhos devia ter dedicado grande parte de seu tempo buscando encher-se de esperança pelo intenso desejo de ver a luz. Ele nunca deixou sua deficiência ocular impedisse de explorar sua capacidade auditiva. Ouvindo fragmentos de conversa aqui e ali, este cego de nascença intuiu haver um propósito mais elevado para a vida.

O ex-cego perguntou quem era o Filho do Homem porque já tinha conhecimento prévio deste título divino. Primeiro, como já foi dito, este título tinha conexão com Adão, o primeiro homem criado e representante legal da humanidade. Nesta conexão o Filho do Homem tem o propósito de resgatar a razão pela qual a humanidade foi criada, para ser a imagem e semelhança de Deus. O Filho do Homem tem também e principalmente conexão com a profecia de Daniel. Leiamos a profecia: "Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído." (Dn 7.13,14). Note que o Filho do Homem vem para exercer domínio sobre a terra, domínio este que será eterno. A referência as nuvens do céu representam uma alusão a igreja ressurreta e arrebatada. Este evento foi reportado pelo apóstolo Paulo ao fazer referência a ressurreição dos santos com o consequente arrebatamento da igreja (I Ts 4.15-17). Ao fazer esta profecia Daniel está relatando o que vai acontecer em seguida ao arrebatamento: Jesus conduzirá os santos para o trono de Deus. Esta cena foi relatada pelo apóstolo João no Apocalipse capítulo 4 e 6. Depois disso será desencadeado os eventos que resultará no domínio eterno do Filho do Homem. Estes eventos são descritos no Apocalipse, a partir do capítulo 6 , envolvendo uma série de selos, trombetas e taças. Depois destes eventos Satanás será preso por mil ano e, neste tempo teremos uma preliminar de como será a eternidade. Por certo o ex-cego não tinha condições de saber todas estas coisas, contudo ele era conhecedor das profecias de Daniel. Ele sabia que o Filho do Homem era também o Messias.

Leave a Comment